Theme Preview Rss

Leitura Permanente e Leitura pelo Professor

Atividades permanentes de leitura

São situações didáticas propostas com regularidade e voltadas para a formação de atitude favorável à leitura. Um exemplo desse tipo de atividade é a “Hora de...” (histórias, curiosidades científicas, notícias, etc.). Os alunos escolhem o que desejam ler, levam o material para casa por um tempo e se revezam para fazer a leitura em voz alta, na classe. Dependendo da extensão dos textos e do que demandam em termos de preparo, a atividade pode se realizar semanalmente ou quinzenalmente, por um ou mais alunos a cada vez. Quando for pertinente, pode incluir também uma breve caracterização da obra do autor ou curiosidades sobre sua vida.

Práticas de Leitura: Projetos e Leitura Sequenciada

Projetos de leitura

A característica básica de um projeto é que ele tem um objetivo compartilhado por todos os envolvidos, que se expressa num produto final em função do qual todos trabalham. Além disso, os projetos permitem dispor do tempo de uma forma flexível, pois o tempo tem o tamanho necessário para conquistar o objetivo: pode ser de alguns dias ou de alguns meses. Quando são de longa duração têm ainda a vantagem adicional de permitir o planejamento de suas etapas com os alunos.

Multiplicação e Divisão

Uma abordagem freqüente no trabalho com a multiplicação é o estabelecimento de uma relação entre ela e a adição. Nesse caso, a multiplicação é apresentada como um caso particular da adição porque as parcelas envolvidas são todas iguais.

Por exemplo:

— Tenho que tomar 4 comprimidos por dia, durante 5 dias. Quantos comprimidos Preciso comprar?

A essa situação associa-se a escrita 5 x 4, na qual o 4 é interpretado como o número que se repete e o 5 como o número que indica a quantidade de repetições.

Prática de Leitura: Diária e Compartilhada

Leitura Diária

O trabalho com leitura deve ser diário. Há inúmeras possibilidades para isso, pois a leitura pode ser realizada:

• de forma silenciosa, individualmente;

• em voz alta (individualmente ou em grupo) quando fizer sentido dentro da atividade; e

• pela escuta de alguém que lê.
No entanto, alguns cuidados são necessários:

Adição e Subtração

O desenvolvimento da investigação na área da Didática da Matemática traz novas referências para o tratamento das operações. Entre elas, encontram-se as que apontam os problemas aditivos e subtrativos como aspecto inicial a ser trabalhado na escola, concomitantemente ao trabalho de construção do significado dos números naturais.

A justificativa para o trabalho conjunto dos problemas aditivos e subtrativos baseia-se no fato de que eles compõem uma mesma família, ou seja, há estreitas conexões entre situações aditivas e subtrativas. A título de exemplo, analisa-se a seguinte situação:

Aprendizado Inicial da Leitura

É preciso superar algumas concepções sobre o aprendizado inicial da leitura. A principal delas é a de que ler é simplesmente decodificar, converter letras em sons, sendo a compreensão conseqüência natural dessa ação. Por conta desta concepção equivocada a escola vem produzindo grande quantidade de “leitores” capazes de decodificar qualquer texto, mas com enormes dificuldades para compreender o que tentam ler.

Prática de Leitura


O trabalho com leitura tem como finalidade a formação de leitores competentes e, conseqüentemente, a formação de escritores, pois a possibilidade de produzir textos eficazes tem sua origem na prática de leitura, espaço de construção da intertextualidade e fonte de referências modelizadoras. A leitura, por um lado, nos fornece a matéria-prima para a escrita: o que escrever. Por outro, contribui para a constituição de modelos: como escrever.

Boas Vindas Bem Planejadas


Na Edição de Dezembro 2009/Janeiro 2010 da Revista Nova Escola há uma matéria muito boa para se aplicar na recepção dos alunos no início do ano letivo. Deixar a escola organizada de forma que o aluno se sinta acolhido, conhecer melhor os que são novos na escola e até mesmo aqueles que já são antigos mas não se sabe muito dele são algumas sugestões simples mas que funcionam para todos e facilitam o início do trabalho escolar e da adaptação dos alunos. Leia a matéria!

Depois de planejar com a equipe gestora, os docentes e os funcionários como será o ano na sua escola, reserve um período da semana pedagógica para organizar a recepção dos alunos na primeira semana de aula.

O Nascimento de Jesus Narrado em Cordel


Apesar do natal já ter passado, convido os leitores do Aprende Minas a conhecerem a história do Nascimento de Jesus contada através de um cordel. Uma história bem humorada, ilustrada com xilogravuras e narrada com entonação característica de um contador da literatura de cordel.

Essa sim é a história que todos devemos lembrar. Que eu saiba Jesus não era gordo, e de trenó não costuma andar”, diz o narrador através de sua rima. Conheça, então, o verdadeiro Jesus do natal.

Progressão Continuada: Como Entendê-la

A Progressão Continuada ainda tem sido um tema polêmico para tratar com muitos professores. Seu significado se confunde com o conceito de aprovação automática como se a progressão continuada acontecesse sem critério nenhum de avaliação. Acredito que muitas vezes essa confusão acontece por uma interpretação errada e equivocada por parte de muitos que reproduzem informações sem compreendê-las efetivamente.

Para esclarecer estas e outras dúvidas convido os leitores do Aprende Minas a analisarem o que a Resolução SEE N 1086 de 16/04/08 diz em seu artigo 13. Acompanhe também, na sequência, a reportagem de Fernando José de Almeida na Revista Nova Escola:

Programa Semeando - Premiados 2010


No dia 30 de novembro de 2010 o Programa Semeando comemorou seus os 10 anos de existência. A festa aconteceu no Alta Vila, em Nova Lima, onde além de comemorar uma década de existência do Programa foram entregues os prêmios aos vencedores do Concurso 2010 que teve como tema “Integração Campo Cidade”.

A premiação aconteceu em grande estilo, contando com a exibição de grandes painéis contando um pouco da história do Programa, com imagens dos trabalhos dos estudantes ao longo do ano, além de chuva de papel picado para colorir a festa.

A Casinha da vovó – Sugestão de Jogos e Atividades Complementares

 
Além das 12 sugestões de atividades propostas nas postagens anteriores pela colega de trabalho Kátia, ela ainda sugere alguns jogos e atividades complementares para trabalhar com a parlenda “A Casinha da Vovó”. São sugestões que vão tornar a aula mais atrativa e divertida para os alunos favorecendo o processo de aprendizado.
Quem ainda não viu todas as atividades vale a pena conferi-las acessando os links a seguir: Atividade 1; Atividades 2, 3 e 4; Atividades 5 e 6; Atividades 7, 8, 9 e 10 e Atividades 11, 12 e 13.
Agora conheça as sugestões propostas:

A Casinha da Vovó – Atividades 11, 12 e 13


Esta é a última postagem referente à sequência de atividades elaboradas com a parlenda “A Casinha da Vovó”. Observe que a atividade 13 é de Avaliação. Quero ressaltar aqui a importância da avaliação para verificar o aprendizado dos alunos. Só assim será possível verificar o que o aluno aprendeu e rever o que o aluno ainda não aprendeu.

A Casinha da Vovó – Atividades 7, 8, 9 e 10


Continuando a sequência de atividades elaboradas com base na parlenda “A Casinha da vovó” Conheçam agora as Atividades 7, 8, 9 e 10. Observe que as atividades foram elaboradas com base nas capacidades que os alunos devem alcançar ao final do trabalho. Acompanhe as atividades que antecedem a essas acessando Atividade 1; Atividades 2, 3 e 4 e Atividades 5 e 6 para seguir a sequência didática sugerida pela Kátia. 

Capacidades: Conhecer o alfabeto e diferenciar letras de outros sinais gráficos; Direcionamento e alinhamento da escrita.


A Casinha da Vovó – Atividades 5 e 6


Leitores do Aprende Minas, dando continuidade às atividades elaboradas pela colega de trabalho Kátia acompanhem mais duas sequências didáticas. Essas atividades foram elaboradas tendo como base a parlenda "A Casinha da Vovó". Veja também a Atividade 1 e as Atividades 2, 3 e 4.


Capacidades: Conhecer o alfabeto e diferenciar letras de outros sinais gráficos; Direcionamento e alinhamento da escrita.